PUBLICAÇÕES


Entre os dias 28 de Junho e 11 de Julho de 2021 as ações de combate ao tráfico de fauna, divulgadas na mídia, indicam que pelo menos 1046 animais silvestres foram alvo de atividades ilegais. Este número não reflete a totalidade dos animais traficados, uma vez que nem todos os crimes contra a fauna são autuados e noticiados, bem como nem todas as notícias reportam detalhes sobre as apreensões. Dentre as 32 ações noticiadas nesta quinzena, 10 não reportaram a quantidade de animais apreendidos e seis não relacionaram as espécies. Por estes motivos, adotamos “pelo menos” ou “ao menos” para descrever o número mínimo de animais e espécies. Dentre o total de animais resgatados nesta quinzena, 104 eram animais já abatidos. Foram também apreendidos 97 Kg de pescado ilegal além de carne de caça ilegal. Ao todo puderam ser identificadas ao menos 41 espécies da fauna silvestre, entre elas uma espécie exótica, além de indivíduos híbridos, resultantes do cruzamento entre duas espécies silvestres, uma atividade proibida. Considerando os grandes grupos taxonômicos, a grande maioria dos animais silvestres (767) é representada por aves, sendo que 430 delas não tinham suas espécies identificadas. Também uma grande quantidade de répteis foi apreendida, entre eles 250 tartarugas-da-amazônia (Podocnemis expansa), espécie classificada como ameaçada de extinção na categoria Quase Ameaçada (NT).

Neste período foram noticiadas 32 ações de combate ao tráfico de fauna, que ocorreram em 14 estados brasileiros. As ações mobilizaram 41 unidades dos órgãos governamentais, totalizando R$ 119.462,64* em multas emitidas e a autuação de pelo menos 88* infratores.

Órgãos que atuaram em coordenação:


Polícia Militar, Ilhéus - BA

Secretaria de Segurança Pública - BA


Batalhão de Polícia Militar Ambiental - ES

IBAMA - ES


Gerência do Parque Estadual do Araguaia - MT

Polícia Militar - MT


Secretaria de Estado e Meio Ambiente -MT

Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental - MT


Secretaria de Meio Ambiente, Barra Mansa - RJ

Polícia Militar Ambiental, Bara Mansa - RJ


Operação Arca:

Polícia Civil, Canoas - RS

Polícia Civil, Esteio - RS

Secretaria de meio Ambiente, Esteio - RS

IBAMA


Secretaria de Meio Ambiente, Gramado - RS

Pelotão Ambiental da Brigada Militar, Gramado - RS


Fundação Municipal de Meio Ambiente de Nova Veneza

Polícia Militar Ambiental, São Bento Baixo - SC


Polícia Militar Ambiental, Caraguatatuba - SP

Fundação Florestal - SP


Órgãos que atuaram de forma independente:


Batalhão de Polícia Ambiental, São José da Laje - AL

Polícia Rodoviária Federal, São Miguel dos Campos - AL

Polícia Rodoviária Federal, Irauçuba - CE

Operação ARTEMIS:

Polícia Federal - ES

Polícia Militar Ambiental, Jacaraípe - ES

Polícia Militar, Açailândia - MA

Polícia Militar, Cambuquira - MG

Polícia Militar Ambiental, Belo Oriente - MG

Polícia Militar de Meio Ambiente, Barbacena - MG

Polícia Militar de Meio Ambiente, Ipatinga - MG

Polícia Militar de Meio Ambiente, Ouro Preto - MG

Polícia Rodoviária Federal, Cuiabá -MT

Batalhão de Polícia Ambiental, Belém - PA

Guarda Ambiental, Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Magé - RJ

Polícia Militar Ambiental, Joinville - SC

Polícia Rodoviária Federal, Blumenau - SC

Guarda Ambiental, São Bernardo - SP

Polícia Militar Ambiental, Cedral - SP

Polícia Militar Ambiental, Peruíbe - SP

Polícia Militar Ambiental, Sarapuí - SP

Polícia Rodoviária Federal, Vargem - SP


Esta edição do Observatório do Tráfico reúne as informações publicadas em plataformas digitais de notícias e com conteúdo aberto ao público, referentes a ações de combate ao tráfico ocorridas entre os dias 28 de Junho a 11 de Julho de 2021.


O Observatório do Tráfico faz um levantamento das ações de combate à coleta, manutenção, transporte e comércio ilegal de fauna silvestre no Brasil. Seu objetivo é contribuir para a conscientização sobre esse grave problema e também mostrar o trabalho intenso e incansável de diferentes instituições de fiscalização e aplicação da lei.


Os dados recolhidos pelo Observatório do Tráfico são das ações que foram noticiadas pela mídia e/ou pelos sites oficiais das instituições que realizaram as autuações. É importante ressaltar que muitos animais comercializados ilegalmente não são detectados e apreendidos. Além disso, nem todas as ações de combate ao tráfico de fauna são noticiadas e, portanto, acabam não sendo incluídas na compilação do Observatório.


* Como algumas notícias não informam a quantidade exata de animais apreendida por cada espécie, nossa estratégia de análise dos dados é conservadora e consideramos o número mínimo de animais e espécies envolvidas nas ações reportadas. A mesma estratégia é adotada para o cálculo do número total de infratores e valor total de multas emitidas.


O Observatório do Tráfico é uma iniciativa que integra o Projeto InfoTrafi da Freeland Brasil.


Conceito e Coordenação | Nadia Moraes-Barros

| Juliana Machado Ferreira

Base de Dados | Railiane Abreu

Edição, Website e Mídias Sociais | Jana Monteiro


11 visualizações0 comentário

Entre os dias 14 e 28 de Junho de 2021 as ações de combate ao tráfico de fauna, divulgadas na mídia, indicam que pelo menos 2067 animais silvestres foram alvo de atividades ilegais. Este número não reflete a totalidade dos animais traficados, uma vez que nem todos os crimes contra a fauna são autuados e noticiados, bem como nem todas as notícias reportam detalhes sobre as apreensões. Dentre as 46 ações noticiadas nesta quinzena, em quatro os crimes de tráfico de fauna foram identificados mesmo sem a apreensão de animais, havendo a autuação de infratores e/ou apreensão de armas e outros instrumentos de caça. Das demais ações noticiadas, três não reportaram o número de animais apreendidos e 17 não relacionaram as espécies. Por estes motivos, adotamos “pelo menos” ou “ao menos” para descrever o número mínimo de animais e espécies. Do total de animais apreendidos, mais da metade foram resgatados em duas únicas apreensões, ambas de tráfico transnacional. Na primeira, houve a apreensão no Aeroporto Internacional de Guarulhos de 1.000 jabutis-piranga (Chelonoidis carbonaria), espécie cuja comercialização internacional é regulada pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (CITES), em seu anexo II (de acordo com o qual o comércio é controlado). Na segunda apreensão, ocorrida no Rio de Janeiro, um traficante russo foi preso por traficar quase 200 animais, sendo esta a segunda autuação deste traficante, este ano no Brasil. Dentre o total de animais resgatados nesta quinzena, três eram animais já abatidos e/ou representados por partes. Três outros animais vieram a óbito como resultado de maus tratos durante as atividades criminosas. Foram também apreendidos 754 Kg de pescado ilegal e 30 kg de carne de caça ilegal. Ao todo puderam ser identificadas ao menos 36 espécies da fauna silvestre. Duas delas, o tracajá (Podocnemis unifilis) e a onça-parda (Puma concolor), são classificadas como ameaçadas de extinção nas categorias Quase Ameaçada (NT) e Vulnerável (VU). Considerando os grandes grupos taxonômicos, a grande maioria dos animais silvestres (1107) é representada por répteis, sendo 1082 deles jabutis-piranga.


Neste período foram noticiadas 46 ações de combate ao tráfico de fauna, que ocorreram em 13 estados brasileiros. As ações mobilizaram 58 unidades dos órgãos governamentais, totalizando R$ 5.184.913,00* em multas emitidas e a autuação de pelo menos 74* infratores.

AUTUANTES NAS APREENSÕES


Órgãos que atuaram em coordenação:


Companhia de Polícia de Proteção Ambiental, Polícia Militar - BA

Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos - BA


Operação “Free Fish - Peixe Livre”:

6ª Companhia da Polícia do Meio Ambiente, Polícia Militar - MG

8º Batalhão da Polícia Militar - MG

Ministério Público

Poder Judiciário

Polícia Civil


Polícia Militar Rodoviária - MG

Polícia do Meio Ambiente, Patos de Minas - MG


Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade - PA

Ideflor-Bio

Polícia Militar

Secretarias Municipais

Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A.


Secretaria Estadual do Ambiente e Sustentabilidade, Superintendência de Combate aos Crimes Ambientais - RJ

Instituto Estadual do Ambiente - RJ

Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente


Delegacia do Meio Ambiente, Polícia Civil, Porto Alegre - RS

Secretaria Estadual do Meio Ambiente - RS


Operação Hórus:

Polícia Militar Rodoviária, São Domingos - SC

Polícia Militar Ambiental - SC

Cidasc


Fundação do Meio Ambiente de Criciúma - SC

Polícia Militar Ambiental, Maracajá - SC


Órgãos que atuaram de forma independente:


Batalhão Ambiental, Delegacia Especializada em Crimes Contra o Meio Ambiente, Manaus - AM

6ª Companhia Interativa Comunitária, Manaus – AM (Operação Mão de Ferro - CPA Norte)

Polícia Militar Ambiental, Barra de São Francisco - ES

Guarda Municipal, Contagem - MG

Policia Militar de Meio Ambiente, Manhuaçu - MG

Policia Militar de Meio Ambiente, Varginha - MG

Polícia Militar de Meio Ambiente, Varjão de Minas - MG

Polícia Militar, Leopoldina - MG

Polícia Militar, Planura - MG

Polícia Militar, Deadópolis - MS

Polícia Militar, Indianópolis - MT

Polícia Militar, Redenção - PA

Força Tática, Polícia Militar, Sousa - PB

Grupo Tático do Batalhão de Polícia Ambiental, Polícia Militar, Mulungu - PB

Polícia Militar, Mogeiro - PB

Polícia Militar - PR

Polícia Militar Ambiental, Londrina - PR

6ª Unidade de Polícia Ambiental, Polícia Militar, Serra da Tiririca - RJ

6ª Unidade de Polícia Ambiental, Polícia Militar, Serra da Tiririca - RJ

6ª Unidade de Polícia Ambiental, Polícia Militar, Serra da Tiririca - RJ

Comando de Polícia Ambiental, Duque de Caxias - RJ

Polícia Rodoviária Federal, São Gonçalo - RJ

Polícia Rodoviária Federal, Seropédica - RJ

Unidade de Polícia Ambiental, Niterói - RJ

3º Batalhão Ambiental da Brigada Militar, Garibaldi - RS

Associação Rio-grandense de Proteção aos Animais - RS

Divisão de Investigação Criminal, Polícia Civil, Joinville - SC

Polícia Militar Ambiental, Joinville - SC

Polícia Rodoviária Federal, Palhoça - SC

Guarda Civil Municipal, São José dos Campos - SP

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - SP

Polícia Civil, Campo Limpo Paulista - SP

Polícia Militar Ambiental, Alto Alegre - SP

Polícia Militar Ambiental, Barbosa - SP

Polícia Militar Ambiental, Mongaguá - SP

Polícia Militar Ambiental, São Vicente - SP

Polícia Militar, Araraquara - SP

Polícia Rodoviária Federal, Vargem - SP


Esta edição do Observatório do Tráfico reúne as informações publicadas em plataformas digitais de notícias e com conteúdo aberto ao público, referentes a ações de combate ao tráfico ocorridas entre os dias 14 e 28 de Junho de 2021.


O Observatório do Tráfico faz um levantamento das ações de combate à coleta, manutenção, transporte e comércio ilegal de fauna silvestre no Brasil. Seu objetivo é contribuir para a conscientização sobre esse grave problema e também mostrar o trabalho intenso e incansável de diferentes instituições de fiscalização e aplicação da lei.


Os dados recolhidos pelo Observatório do Tráfico são das ações que foram noticiadas pela mídia e/ou pelos sites oficiais das instituições que realizaram as autuações. É importante ressaltar que muitos animais comercializados ilegalmente não são detectados e apreendidos. Além disso, nem todas as ações de combate ao tráfico de fauna são noticiadas e, portanto, acabam não sendo incluídas na compilação do Observatório.


* Como algumas notícias não informam a quantidade exata de animais apreendida por cada espécie, nossa estratégia de análise dos dados é conservadora e consideramos o número mínimo de animais e espécies envolvidas nas ações reportadas. A mesma estratégia é adotada para o cálculo do número total de infratores e valor total de multas emitidas.


O Observatório do Tráfico é uma iniciativa que integra o Projeto InfoTrafi da Freeland Brasil.


Conceito e Coordenação | Nadia Moraes-Barros

| Juliana Machado Ferreira

Base de Dados | Railiane Abreu

Edição, Website e Mídias Sociais | Jana Monteiro

22 visualizações0 comentário

O Eco lança coluna Freeland Brasil sobre questões relativas ao tráfico de animais silvestres.

O primeiro artigo, por Juliana Machado Ferreira - Diretora Executiva da Freeland Brasil, fala sobre o como os criminosos lucram e a nação perde com o tráfico de animais silvestres.


Juliana explica que a legislação brasileira atual é leniente com o tráfico de animais silvestres, os criminosos saem impunes, isso incentiva a reincidência e coloca muitas espécies em risco.

Leia o artigo completo em https://www.oeco.org.br/colunas/trafico-de-animais-silvestres-o-lucro-e-dos-criminosos-a-perda-e-da-nacao/


A coluna Freeland Brasil no Jornal O Eco é mensal e aborda questões relativas ao tráfico de fauna silvestre.

23 visualizações0 comentário